X
SUBSCREVA A NOSSA NEWSLETTER

Noticias sobre a meia.duzia no P3.público.pt

Dois irmãos, Jorge e Andreia Ferreira, decidiram criar um negócio de produtos "gourmet". Até aqui nada fora do normal. A novidade é que empresa Meia Dúzia produz compotas que embaladas em bisnagas de tinta. Os irmãos, ambos engenheiros, querem ainda apostar na produção própria de vegetais para se tornarem auto-suficientes. Para isso, pretendem arregaçar as mangas e ir para o campo. 

 

Jorge Ferreira, 38 anos, é engenheiro químico e trabalha na área da consultadoria. Gosta de pintar nos tempos livres e começou a imaginar um produto que pudesse ser comercializado nas bisnagas metálicas que os pintores costumam ter no estúdio. Andreia Ferreira, 25 anos, era, aquando o nascimento do negócio, uma finalista do curso de engenharia alimentar. Juntos criaram a Meia Dúzia, uma marca de compotas, licores e chás.

 

Esta foi uma forma de Andreia criar o próprio posto de trabalho. Ela que admite sempre ter sido “muito mimada” pelo irmão que agora é seu sócio nesta nova aventura. Começaram a trabalhar no projecto em Fevereiro do ano passado e em Dezembro já lançavam os primeiros produtos na loja “25th project” da Fábrica ASA, em Guimarães.

 

Da garagem para a quinta em Outiz

O projecto, que começou numa garagem em Famalicão, agora continua na pequena quinta dos pais, em Outiz. Ali, os dois irmãos estão a tentar cultivar parte dos vegetais de que necessitam. “Vamos apostar na produção de frutos vermelhos, até porque são as matérias-primas mais caras”, conta Andreia Ferreira, em conversa telefónica com o P3. Como a Meia Dúzia é uma empresa recente, os dois irmãos ainda não têm recursos para contratar alguém para tratar da produção agrícola e serão eles próprios, com a ajuda dos pais e de amigos, a deitar mãos à terra.

 

Toda a produção é nacional, desde o “packaging” do produdo, às matérias-primas seleccionadas. O processo de composição dos sabores não podia ter corrido melhor, já que “quase todos os resultados finais foram conseguidos na primeira tentativa”. 

 

Actualmente contam com 26 compotas. Há para todos os gostos, mas esqueçam os sabores tradicionais que costumam encontrar nas prateleiras. As mais vendidas têm sido a de pêra rocha com Moscatel do Douro e a de mirtilo com Vinho do Porto e baunilha. Mas as primeiras escolhas dos dois irmãos são diferentes. Para Jorge Ferreira, a compota que lhe enche as medidas é a de laranja e vinho da Madeira. Já Andreia prefere a de abóbora e laranja com amêndoa. A embalagem individual custa 3,90 euros e o "pack" de seis compostas tem um custo de 19,80 euros. No entanto, os preços podem variar consoante o estabelecimento comercial. 

Mas nem só de compotas se faz a Meia Dúzia. Estão ainda disponíveis licores artesanais de noz, figueira, leite, cereja, limão ou ervas aromáticas. Os amantes do chá das cinco também podem estar descansados. A marca tem chás com diferentes misturas, como frutos dos bosques e pétalas de centáurea azul, ou chá verde com menta e rosas.

 

Concurso deu-lhes loja em shopping 

 A Meia Dúzia venceu o concurso de empreendedorismo lançado pelo Mar Shopping, em Matosinhos. Assim, a empresa ganhou o direito de ocupar uma loja no centro comercial durante três a seis meses (sem qualquer custo) e vão ser lançados novos produtos na sua inauguração, prevista para Novembro.

 

“Ainda estamos a decidir quantos meses vamos lá estar”, afirma Andreia, que considera ser uma forma muito favorável para estarem “mais próximos dos clientes, saber os sabores que gostam mais e o que querem que façamos no futuro”.

  

Andreia afirma que estão a ser “muto bem recebidos pelo público”, o que se traduz também a nível financeiro. Neste momento, a aposta da Meia Dúziapassa por “dar um passo de cada vez” e têm-se focado no mercado interno, com produtos em diferentes lojas por todo o país. No entanto, já conseguiram ter os seus produtos à venda em lojas da Bélgica, Alemanha e Áustria. Estão em curso outras propostas e, brevemente, os produtos também poderão ser encontrados em Inglaterra ou nos EUA.

 

Texto de Pedro Pires Serrão, a 24/10/2013

Partilhar nas Redes Sociais